Valdique Pinheiro

Valdique Pinheiro Alves nasceu em Serranópolis de Minas em 06/02/1950.

Graduou-se Técnico Agrícola pela Escola Agrotécnica Federal de Januária/MG.

Ingressou no Instituto Estadual de Florestas - IEF em 25/05/1976 atuando como Chefe do Escritório Florestal de Conceição do Mato Dentro, onde permaneceu até 30/04/1984.

Após breve afastamento, retornou à Instituição em 07/04/1986 como Chefe do Escritório Florestal de Grão Mogol, onde permaneceu até 01/07/1987.

Retorna à Chefia do Escritório Florestal de Conceição do Mato Dentro em 02/07/1987, onde permanece até os dias de hoje.

Durante todo o tempo na instituição, isto é, durante seus quase 40 anos de serviços, vem se dedicando de maneira incansável na gerência técnica e administrativa de forma atingir o cumprimento da missão institucional do IEF e, desta forma, contribuindo decisivamente para a melhoria da qualidade ambiental em suas regiões de atuação.

Em toda a sua trajetória vem atuando de forma firme, eficiente e assertiva em todas as atividades afetas ao IEF, quer seja nas ações de fomento florestal, controle e fiscalização da exploração dos recursos florestais e da pesca; controle de consumidores e comerciantes de produtos e sub produtos da flora; apoio na criação e manutenção da qualidade de Unidades de Conservação; ações de educação ambiental aos diversos públicos, sejam eles os produtores rurais, estudantes, além da comunidade em geral.

O perfil do Senhor Valdique Pinheiro Alves e sua conduta implicou no reconhecimento pelos mais diversos segmentos da sociedade de sua importância para a preservação, conservação e uso racional dos recursos naturais, fato que indiretamente atribui ao IEF o mesmo grau de importância.

Mais recentemente, no princípio de 2006, foi acometido por uma enfermidade que forçou seu afastamento por aproximadamente dois anos.

Porém, durante todo esse tempo, seu discurso foi sempre o mesmo: Ainda volto a trabalhar pelo IEF!!!

Pois bem, no princípio de 2008, o Senhor Valdique Pinheiro Alves voltou a trabalhar.

Hoje novamente compõe efetivamente a equipe de técnicos de campo da Unidade Regional Alto Jequitinhonha do IEF e, mesmo com todas as dificuldades, reflexos da doença, não se deixa abater e assim, permanece desempenhando com o mesmo vigor e comprometimento de sempre sua missão na instituição.

Diante de todo o relato, seja em função de sua contribuição objetiva como extencionista florestal, no controle florestal e educação ambiental, a história do Senhor Valdique Pinheiro Alves é um exemplo, não só para os funcionários do IEF, mas para toda a sociedade.


 Entrevista – Projeto NOSSA GENTE
 
  Dados funcionais:  
 
     Nome: Valdique Pinheiro Alves
     MASP: 1.020.866-8
     Cargo: Técnico Ambiental
     Tempo de exercício no Estado de MG: 38 anos, incluindo tempo averbado 45 anos
     Tempo de exercício no SISEMA:  38 anos, incluindo tempo averbado 45 anos
     Órgão de Origem (SEMAD, IEF, IGAM ou FEAM): IEF
 
1 – Ao longo da sua carreira no SISEMA, qual experiência de trabalho você considera ter sido mais marcante?
Em primeiro lugar:
A   Implantação do viveiro florestal, onde tive a oportunidade de aplicar técnicas desde a coleta de sementes nativas, semeadura das sementes coletadas, tratos culturais em produção  das mudas até a fase do plantio das espécies produzidas no viveiro. Assim, presenciei o desenvolvimento das plantas transformando  em arvores adultas que produziram novas sementes, sendo posteriormente germinadas transformando em inúmeras árvores que é de grande importância para conservação do solo e servem de alimentos e abrigos para a fauna.
 
Em segundo lugar:
Participação efetiva em fiscalização no ano de 1979, quando essas competências eram do Instituto Brasileiro de Desenvolvimento Florestal - IBDF e da Polícia Florestal. Nesta época, o IEF era vinculado à Secretaria de Estado de Agricultura e os técnicos de campo lotados no interior exerciam atividades exclusivamente técnicas em produção de mudas nos viveiros, reflorestamentos de propriedades rurais, arborização urbana, rural, de rodovias, orientações para  preservação dos recursos naturais renováveis e não renováveis e realização de palestra em escolas, nas comunidades urbanas e rurais, orientando sempre na conservação dos recursos naturais e, especialmente em conservação de recursos hídricos, do solo, flora e fauna, não sendo sua missão exercer as atividade de fiscalizações e repreensões de infratores à legislação dos códigos: florestal, proteção a fauna e Pesca.    
 
2 – Ainda pensando em todo o seu percurso profissional, quais atividades das quais você participou que tiveram impactos significativos para a gestão ambiental do Estado?

Implantação e administração do viveiro de conceição do Mato Dentro com produção de mudas de essências nativas e exóticas para  atendimento aos programas / projetos do IEF;

Participação na criação do Escritório Florestal do IEF em Conceição do Mato Dentro;

Participação de atividades técnicas do projeto estruturador;

Participação de atividades técnicas no Projeto de Revitalização da sub-bacia do Rio das Velhas;

Participação no Programa Estadual de Pequenos Produtores Rurais - MG II, em produção de mudas e implantação do Programa em parceria com a EMATER no município de Congonhas do Norte;

 
3 – Se possível, faça uma linha do tempo sobre sua trajetória no Sisema, colocando os anos mais marcantes e as atividades que desenvolveu nesses anos.
1975 
  •      Aprovado no Concurso Público para o cargo de Técnico Agrícola do Instituto Estadual de Florestas – IEF;
1976 
  •      Ingresso  no Instituto Estadual de Florestas – IEF em 25/05/1976  pelo regime CLT;
  •     Treinamento na Assessoria de Planejamento e Controle - APC na sede do IEF em Belo Horizonte sob a coordenação de Eduardo Grossi e Silvério Seabra Rocha;
  •     Assume a chefia da Base Física do IEF (Posto Agropecuário do Ministério da Agricultura) cedido ao IEF através de Convênio realizado em 1972 com vigência até 1997, a Base Física era na época uma Unidade de Apoio (UAPO) do Escritório Florestal de Diamantina sob a coordenação do Engenheiro Florestal Renato Gomes e Posteriormente José Medina da Fonseca, atualmente o Posto Agropecuário está sob a responsabilidade da prefeitura municipal de Conceição do Mato Dentro;
  •     Implantação do Viveiro Florestal de Conceição do Mato Dentro com produção de mudas de essências nativas, com finalidade de recomposição dos 20% da área de reserva legal e recuperação de matas ciliares na unidade e as mudas remanescentes eram vendidas e  destinadas a  arborização urbana e rural nos municípios circunvizinhos de Conceição do Mato Dentro;

1977

  • Participação do 1º Encontro de Programação do IEF realizado no período de 03 a 06 de maio de 1977 sob a coordenação do Conselho  de Extensão da Universidade Federal de Lavras e do IEF;

1978

  • Com a criação do Escritório Florestal de Guanhães, a Unidade de Apoio de Conceição do Mato Dentro desvinculou-se de Diamantina passando a circunscrição do referido escritório sob a coordenação do Engenheiro Florestal Mario Izumi Utino;

1979

  • Participação efetiva em operação de fiscalização juntamente com 02 Soldados do Grupamento da Polícia Florestal de Diamantina, com a finalidade de coibir o desmatamento, Caça e Pesca Predatória, época em que foram presos 07 caçadores em Conceição do Mato Dentro e conduzidos até a cidade de Guanhães para instalação do inquérito policial, uma vez que o delegado titular da Comarca de Conceição do Mato Dentro encontrava-se ausente e a pressão política era forte para liberar os detentos sem que fosse instaurado inquérito policial, pois se tratavam de pessoas bem conceituadas e com expressão política representativa. Esta operação de fiscalização ocorreu após recebimento de um telegrama da Diretoria do IEF, para comparecer na sede em Belo Horizonte e prestar esclarecimentos se tinha fundamento às denúncias de infrações cometidas por Caçadores, Pescadores e produtores de carvão no município de Conceição do Mato Dentro e região. Ao confirmar a veracidade das denúncias, informei que a competência de Fiscalização e Repressão aos infratores competia a Polícia Florestal e não aos técnicos do IEF, sendo neste momento, questionado que eu estava sendo omisso e que deveria tomar todas as providências para promover a fiscalização em conjunto com a Polícia Florestal. A partir desta data além de desempenhar as atividades técnicas em Viveiro de Produção de mudas projetos de arborização, reflorestamento, recuperação de mata ciliar, promover a educação ambiental através de palestras nas escolas e comunidades passei a dedicar como um dos primeiros técnicos a desenvolver atividades de fiscalização florestal, sendo muitas vezes questionado por colegas que não  queria saber de desempenhar estas atividades. Devido ao bom relacionamento com a corporação da polícia militar em Diamantina, todas as solicitações para fiscalização dirigidas ao comandante, eram atendidas com prestezas, muitas das vezes deslocando de ônibus um só policial da polícia florestal que permanecia trabalhando em parceria, sendo utilizado o veículo do IEF  nas atividades de fiscalização;

 1980

  • Participação do Programa Estadual de Pequenos Produtores Rurais - MGII, em produção de mudas e implantação de reflorestamento no município de Congonhas do Norte em parceria com a EMATER;

 1981

  • Transformação da Unidade de Apoio - UAPO em Escritório Florestal, onde permaneci como técnico responsável pelo escritório, ocasião em que foram recebidos todos os processos de Exploração Florestal do Grupamento de Polícia Florestal de Diamantina e protocolados no IEF devido as mudanças de competências para gestão dos processos. A partir deste ano a formalização dos processos, realização de vistorias técnicas e emissão de Autorização deixaram de ser realizadas pela Polícia Florestal, passando a ser da competência do escritório florestal do IEF, com subordinação diretamente ao Escritório Regional Rio Doce com sede em Governador Valadares, onde tive a oportunidade de trabalhar com os supervisores Regionais: Dalton de Oliveira, Sérgio Marcondes, Jair Ferreira da Cruz e sua equipe técnica e administrativa;
  • A circunscrição do Escritório Florestal sob a minha responsabilidade era composta pelos municípios de: Alvorada de Minas, Conceição do Mato Dentro, Congonhas do Norte, Carmésia, Dom Joaquim, Morro do Pilar, São Sebastião do Rio Preto e Santo Antônio do Rio Abaixo;
1982
  •       Mobilização da comunidade e arborização urbana na sede do município de Conceição do Mato Dentro em parceria com a Prefeitura municipal, Câmara municipal, Escolas estaduais, Lions Clube, Paróquia Nossa Senhora da Conceição e outros setores da sociedade civil. Das árvores plantadas, restaram poucos exemplares a maior parte foram exterminadas por atos de vandalismo.

 1983

  • Participação em reunião na sede do posto Agropecuário, onde estiveram presentes os Senhores: Delson Scarane Delegado do Ministério da Agricultura em Minas Gerais e sua comitiva, Dr. Sebastião Soares dos Santos, Prefeito Municipal de Conceição do Mato Dentro, Representantes da Câmara municipal. Nesta reunião foi elaborado o documento de proposta da Prefeitura Municipal para ser encaminhada a Diretoria do IEF, com finalidade de celebração de parceria com a prefeitura Municipal para implantação de projetos nas áreas do Posto Agropecuário que se encontrava cedido ao IEF pelo Ministério da Agricultura.

 1984

  •      Em 30 de abril de 1984, tentei e não consegui uma licença sem vencimento para tratar de interesses particulares, por este motivo pedi demissão do IEF e fui Gerenciar a Usina São Gonçalo Ltda. de Beneficiamento e Prensagem de Algodão, no município de Francisco Sá - MG, permanecendo como gerente no período de 02 de maio de 1984 a 06 de abril de 1986. Durante este período, sempre mantive contato e um bom relacionamento com os servidores do IEF e ao visitar os produtores rurais para orientações nos tratos culturais do algodão, prestava informações, orientando sobre a legislação florestal e das necessidades de procurar o Escritório Florestal do IEF em Montes Claros, para obtenção de autorização com a finalidade de evitar a utilização de áreas de preservação permanente e reserva legal para expansão de  novas áreas destinadas a implantação da cultura;

 1986 

  • No mês de janeiro chegou ao meu conhecimento que o IEF iria contratar Engenheiros Florestais e Técnicos Agrícolas para compor o seu quadro de funcionários, entrei em contato com a Diretoria composta pelos mesmos Diretores da época em que pedi demissão, sendo bem recebido, com as boas vindas de que o bom filho a casa retorna e no dia 07 de abril de 1986 fui novamente contratado pelo IEF;
  • Assumi a chefia do Escritório Florestal de Grão Mogol, tendo como áreas de circunscrição os municípios de Cristália e Botumirim que antes era atendido pelo Engenheiro Florestal Eduardo Martins, chefe do Escritório Florestal de Rio Pardo de Minas. O Escritório Florestal de Grão Mogol era subordinado ao Escritório Regional Norte com sede em Montes Claros, onde tive a oportunidade de trabalhar com os Supervisores Regionais José Medina da Fonseca, Mauro Lobo e sua equipe técnica e administrativa;

  1987

  •      No mês junho, solicitei minha transferência de Grão Mogol para Conceição do Mato Dentro, sendo transferido em julho, assumindo assim novamente a chefia do Escritório Florestal;

 1989

  •      Participação do Programa pró-floresta com produção de mudas, implantação de florestas de produção e  de proteção em pequenas e médias propriedades rurais nos municípios de Congonhas do Norte, Conceição do Mato Dentro, Dom Joaquim e Morro do Pilar;

1990/1991 

  •      Apoio e colaboração junto a prefeitura municipal de Conceição do Mato Dentro e a comunidade para criação do CODEMA.

 1992

  •      Mudanças de Regionalização do IEF passando o Escritório Florestal de Conceição do Mato Dentro a circunscrição do Regional Centro Norte onde tive a oportunidade de trabalhar com Supervisor Silvio de Castro Fonseca e sua equipe técnica e administrativa;
  • Implantação de projetos de arborização Urbana e Rural;
 1993 
  •      Em 10/11/1993, fui designado para exercer Função Gratificada de Coordenador de Atividades Técnicas Descentralizadas no escritório florestal de Conceição do Mato Dentro;

 1995  

  •       Participação na operação de fiscalização das siderúrgicas em Sete Lagoas;

 1996 

  • Mudanças de Regionalização do IEF, o Escritório Florestal de Conceição do Mato desvinculou do Regional Centro Norte, passando a circunscrição do Regional Alto Jequitinhonha onde tive a oportunidade de trabalhar com os Supervisores: Eduardo  Durso, Joaquim Antônio dos Santos, Silvio de Castro Fonseca, Silvio Henrique Cruz de Vilhena e atualmente Edmar Monteiro Silva e sua equipe técnica e administrativa;
  • Apoio e participação efetiva nas comemorações da Semana Ecológica promovida pela Prefeitura Municipal de Conceição do Mato Dentro, durante a Semana Santa, no período de 1996 a 2005;

 1997 

  • Implantação de Projeto de Proteção e Recuperação de  Mata Ciliar no município de Conceição do Mato Dentro;
  • Conselheiro do CODEMA de Conceição do Mato Dentro no período de 1997 a 2010;

 1998 

  • Participante do Curso de Fomento Florestal realizado pelo IEF no período de 28 a 31 de julho de 1998;
  • Apoio e colaboração junto a prefeitura municipal de Conceição do Mato Dentro para criação do Parque Municipal de Ribeirão do Campo;

 1999

  • Apoio e colaboração junto a Prefeitura Municipal do Morro do Pilar para a Criação da Área de Proteção Ambiental Municipal do Rio Picão, criada de acordo com a Lei n.° 402 de 23/08/1999 e regulamentada pelo Decreto municipal  n.º  003 de 23/08/1999;
  • Apoio e colaboração junto a Prefeitura Municipal de Conceição do Mato Dentro para criação da APA Municipal Serra do Intendente criada conforme Decreto Municipal n.º 109/1999. No ano de 2007, a APA  Municipal foi transformada em Parque Estadual Serra do Intendente;

 2000 

  • Implantação de reflorestamento com espécies de eucalipto em propriedades rurais na modalidade do Projeto Fazendeiro Florestal nos municípios de Congonhas do Norte, Conceição do Mato Dentro, Dom Joaquim e Morro do Pilar;
  • Participação na mobilização para implantação do Projeto Mudas Brasil nos municípios de Congonhas do Norte, Conceição do Mato Dentro, em parceria com as Prefeituras, Secretaria de Educação, ONGs e Sindicato dos Trabalhadores Rurais;
  • Plantio Simbólico de uma muda de pau Brasil em praça pública  na cidade de Congonhas do Norte;
  • Plantio Simbólico de uma muda de pau Brasil em praça pública na cidade  de Conceição do Mato Dentro, as mudas foram plantadas em comemoração aos 500 anos de descobrimento do Brasil;

 2001 

  • Apoio e colaboração junto a prefeitura Municipal de Dom Joaquim para a criação da Área de Proteção Ambiental municipal da Gameleira criada de acordo com a Lei n.°  725 de 14/05/2001;
  • Participação em reunião da Câmara municipal de Conceição do Mato Dentro e realização de Palestra sobre o Tema Preservação Ambiental;
  • Participação efetiva no Lançamento da Campanha de Controle de Incêndios Florestais – CACIF, com envolvimento dos parceiros: Polícia Florestal, EMATER e outros segmentos da comunidade  de Conceição do Mato Dentro e Congonhas do Norte para planejamento e realização de Blits Educativa nos meses de julho, agosto e setembro;
  • Encontro com comunidades rurais nos municípios de Conceição do Mato Dentro, Dom Joaquim e  Congonhas do Norte, onde foram ministradas palestras sobre a legislação florestal e  especialmente sobre as técnicas para  utilização de fogo em forma de queima controlada;
  • Visitas as escolas estaduais e municipais nas sedes dos municípios e da zona rural com finalidades de distribuição do Kit da Campanha de Controle de Incêndios Florestais - CACIF e realização de palestras sobre o tema;
  • Reunião com representantes da Construtora Rodominas / SA com finalidade de proposta de Parceria e Cooperação Mutua com o IEF para produção de mudas nativas no viveiro de Conceição do Mato Dentro, resultando desta reunião a celebração de convênio entre as Diretorias em 21 de julho de 2001, ocasião em que a Rodominas com a minha indicação, contratou 03 funcionários e colocou a disposição do viveiro pelo período de 12 meses, em contrapartida o IEF disponibilizou 20.000 (vinte mil mudas de espécies nativas) e prestou assistência técnica em recuperação de áreas degradas nas margens  da Rodovia MG 010, em uma extensão de 38 Km, no trecho compreendido entre Conceição do Mato Dentro e o Trevo  de Morro do Pilar;
2002 
  • Participante do Curso de Gestão da Pesca realizado pelo IEF no período de 22 a 26 de julho de 2002 em Diamantina;
  • Participação na Oficina Semeando o Meio Ambiente na Bacia do Rio das Velhas promovido pela SEMAD/MG com o apoio do Ministério do Meio Ambiente no período de 01 a 03 de agosto de 2002 em Conceição do Mato Dentro;
  • Participação do Curso de “Iniciação ao Desenvolvimento Sustentável“, no período de  21 e 22 de novembro de 2002, no município de Diamantina, promovido pela Fundação Estadual de Meio Ambiente – FEAM;
  • Apoio e colaboração junto a Prefeitura Municipal de Congonhas do Norte para Criação da Área de Proteção Ambiental Municipal da Serra Talhada criada de acordo com o Decreto municipal n.° 002 de 02 de fevereiro de 2002;
  • Membro do Conselho Municipal de Desenvolvimento Rural - CMDRS de Conceição do Mato Dentro no período de 2002 a 2009;

 2003

  • Participação de Operação de Fiscalização Carga Pesada em Martinho Campos - MG;
  • Participação de Operação de Fiscalização no Projeto Jaíba no Norte de Minas;
  • Participação do Curso de Produção de Mudas e Manejo Sustentado de Candeia ministrado  pelo professor José Roberto Scolfro da Universidade Federal de Lavras;
  • Participação em Elaboração de Projeto de Recuperação de Áreas Degradadas no município de Conceição do Mato Dentro em parceria com a Secretaria Municipal de Meio Ambiente, CODEMA,CMDRS e EMATER;
  • Com criação do Núcleo Operacional de Florestas Pesca e Biodiversidade no município de Serro, o Escritório Florestal de Conceição do Mato Dentro foi transformado em Agência de Atendimento com subordinação ao Núcleo, onde o planejamento das atividades passou a ser realizado juntamente com o gerente Silvio Moura e posteriormente Celso Roberto Bezerra Pena de quem os técnicos de campo recebiam as demandas de toda área de circunscrição do núcleo com abrangência de 14 municípios, ocorrendo assim o intercâmbio entre os técnicos para realização das atividades programadas;

 2004

  • Assistência Técnica a prefeitura municipal de Dom Joaquim em implantação de projeto de mata ciliar no complexo turístico da represa do ribeirão folheta;
  • Em novembro de 2004, fui homenageado  pelos colegas do Escritório Regional Alto Jequitinhonha, pela gratidão, amizade, companheirismo, profissionalismo que ao longo dos anos venho dignificando o IEF pela boa convivência e respeito com toda equipe do Regional;
  • Participação  em operação de fiscalização na circunscrição do Núcleo de Capelinha;

 2005

  • Em 12 de março de 2005, recebimento do Diploma de Cidadania Honorária, concedido pela Câmara Municipal de Conceição do Mato Dentro pelos relevantes serviços prestados ao município;
  • Relator de processos da CORAD e participação em reuniões de análise e julgamento de recursos administrativos de autos de infrações;
  • Participação de operação de fiscalização florestal carga pesada III, no Posto de Fiscalização do Trevo de Curvelo;
2006 
  •       Afastamento do IEF para tratamento de saúde por consequência de um tumor maligno, época em que fui submetido à cirurgia com a amputação do reto, submetendo–me ao uso definitivo de Bolsa de Colostomia;
2007 
  •      Continuei de Licença para tratamento de Neoplasia Maligna;

 2008

  • Especialmente no mês de maio, quando antes de completar os 2 anos de afastamento para tratamento, solicitei à perícia médica que me liberasse para voltar as minhas atividades no IEF, evitando assim submeter-me a uma perícia para aposentadoria por invalidez;
  • Fui acolhido no Centro Operacional de Serro com um carinho especial com faixas e cartazes da equipe do Regional Alto Jequitinhonha  desejando–me as boas vindas ao convívio com os colegas;
  • Participação do treinamento SISNAT (Sistema de Inventário e Manejo para Floresta Nativa) ministrado por Henrique Freitas dos Santos da UFLA/MG, no período de 03/11/08 a 07/11/08 em Serro;

 2009

  • Participação  em Audiência Pública no Auditório da Assembléia Legislativa do Estado de Minas Gerais, sobre o Projeto de Lei n.° 2.771/2008 do Governador do Estado que incluiu o Sistema Estadual de Recursos Hídricos no âmbito do SISEMA e alterações na Legislação Florestal estabelecendo metas para recomposição florestal de 40%  do território mineiro. A audiência foi presidida pelo deputado Fábio Avelar, contando com a participação efetiva de outros deputados, do Secretário de Estado de Meio Ambiente, diretoria do IEF e representante de outras entidades de classe;

 2010

  •      Participante do Curso de Programa de Desenvolvimento de Gestores do IEF, realizado pela Fundação Dom Cabral, no período de 15 de julho a 1° de outubro em Diamantina;

 2011

  • Relator de Processos de Recursos Administrativos da CORAD;
  • Participação em Reunião do Programa de Transição dos Órgãos do SISEMA realizada no período de 25/10/11 a 27/10/11 em Diamantina devido às mudanças de competências advindas com a publicação da Lei Delegada n.° 180/2010 regulamentada pelo decreto 45.834/2011;
  • Com a Publicação da Lei Delegada a Agência de Atendimento do IEF em Conceição do Mato Dentro desvinculou-se administrativamente do Núcleo de Serro, passando a sua subordinação diretamente ao Escritório Regional Alto Jequitinhonha, onde passei a desempenhar as atividades técnicas de fomento, Vistorias de DCCs e outras atividades de competências do IEF, deixando assim de realizar vistorias em processos de Intervenção Ambiental e participar das atividades de fiscalizações. 

 2012

  • Nas Comemorações dos 50 anos do Instituto Estadual de Florestas, fui homenageado pela Diretoria, pela excelência em serviços prestados na busca da conservação florestal, visando o equilíbrio e bem estar da sociedade mineira;
  • Vistorias em propriedades cadastradas no Programa Bolsa Verde e assistência técnica aos produtores rurais na modalidade de conservação e manutenção da cobertura vegetal nativa, nos municípios de Conceição do Mato Dentro e Morro do Pilar;
  • Apoio às atividades de Combate a Incêndio Florestal, no Parque Estadual Serra do Intendente;

 2013

  • Participação em Reunião de Planejamento e das Ações  a serem desenvolvidas no Projeto de Revitalização da Bacia do Rio das Velhas – META 2014;
  • Visitas técnicas para realização de cadastramentos de propriedades rurais e levantamento de áreas com potencialidade de Implantação do Projeto de Revitalização da Bacia do Rio das Velhas nos municípios de Congonhas do Norte, Conceição do Mato Dentro, Gouveia e Presidente Kubitschek;
 2014 
  •      Participação na Implantação do Projeto de Revitalização da Bacia do Rio das Velhas nos municípios de Congonhas do Norte, Gouveia e Presidente Kubitschek;

 2015

  • Participação nas vistorias e monitoramento dos projetos implantados;
  • Vistorias em propriedades cadastradas no Programa Bolsa Verde e assistência técnica a produtores rurais na modalidade de conservação e manutenção da cobertura vegetal nativa nos municípios de Morro do Pilar, Conceição do Mato Dentro e Gouveia.
Além das atividades acima relacionadas cronologicamente em toda minha trajetória no SISEMA desempenhei as seguintes atividades:
  • Acompanhamento e assistência técnica em atividades de reflorestamento e  florestamento de propriedades rurais;
  • Assistência técnica em projetos de arborização urbana e rural nos municípios de: Conceição do Mato Dentro, Congonhas do Norte, Dom Joaquim e Morro do Pilar;
  • Assistência técnica  na conservação e uso de mananciais hídricos;
  • Assistência técnica em recuperação de áreas degradadas;
  • Acompanhamento e assistência técnica a projetos de piscicultura;
  • Atividades de extensão florestal e educação ambiental;
  • Ministrei palestras em escolas, comunidades urbanas e rurais;
  • Ministrei aulas práticas em viveiro aplicando técnicas de produção de mudas de essências nativas, exóticas e ornamentais;
  • Realização de Vistorias, em processos de exploração florestal/intervenção ambiental, determinando procedimento e técnicas recomendáveis a melhor utilização dos recursos naturais;
  • Vistoria técnica em processos de averbação de reserva legal;
  • Realização de Perícias técnicas e elaboração de Laudos para a Delegacia de Polícia, Poder Judiciário e Ministério Público, fornecendo subsídios técnicos e sugerindo medidas  a serem tomadas para recuperação de áreas onde ocorreram intervenção ambiental não autorizadas;
  • Fiscalização de pequenos e médios comerciantes e consumidores de Produtos e subprodutos da flora;
  • Fiscalização de comerciantes de apetrechos e produtos da pesca;
  • Fiscalização de desmatamentos em propriedades rurais;
  • Fiscalização de transportes de produtos e subprodutos da flora;
  • As atividades de fiscalização e vistorias em processos de intervenção ambiental foram realizadas antes da publicação da Lei Delegada n.° 180 /2010, regulamentada pelo Decreto n.° 45.834/2011.
4 – Qual é a sua avaliação sobre ter trabalhado durante todo esse tempo no SISEMA? Sinta-se à vontade para justificar sua resposta.
(    ) Péssimo
(    ) Ruim
(    ) Mediano
(    ) Bom
( x ) Ótimo
Foi o meu primeiro emprego como técnico, sou um cidadão que se orgulha do seu trabalho, de sua instituição, tenho a convicção que as atividades desempenhadas pelo SISEMA serão reconhecidas e respeitas pelos empreendedores que necessitam de regularização ambiental de seus empreendimentos, bem como de toda população mineira que luta em prol da preservação ambiental e do desenvolvimento sustentável.
 
5 – Na sua opinião, quais são os principais pontos/aspectos positivos de trabalhar no SISEMA?
Coleguismo entre a equipe de trabalho;
Oportunidade de desempenhar atividades  em prol do desenvolvimento sustentável;
Oportunidade de trabalhar em atividades de campo possibilitando o contato direto com a natureza;
Estar em contato com o homem do campo  levando assistência técnica e questionando as condições do meio ambiente a nível de propriedades rurais;
 
6 – Considerando a sua experiência, você sugere alguma(s) melhoria(s) para o trabalho no SISEMA?  Se sim, qual (is)?
Consolidação do Plano de Carreira para os servidores efetivos como forma de valorização profissional;
Desburocratização de Serviços Administrativos;
Mais autonomia às Unidades Descentralizadas, em especialmente as Agências Avançadas nas tomadas de decisões, incluindo a contratação de novos servidores administrativos;
Mais agilidade na manutenção da frota;
Tornar o SISEMANET mais eficaz e ágil, uma vez que o sistema se encontra constantemente lento e congestionado.
 
7 – Fazendo uma análise, como você acha que a equipe da qual você faz parte reagirá quando você se aposentar?
É difícil falar da reação dos outros, isso só saberei no dia que acontecer. O ser humano é muito peculiar. Creio que recordarão dos momentos em que compartilhamos emoções e conquistas nas atividades que desempenhamos juntos.
 
8 – No sentido contrário da pergunta anterior, como acha que você próprio(a) irá reagir ao aposentar-se?
Meu sentimento será uma mistura  de alegria e tristeza. Alegria por ter cumprido o meu dever com compromisso e honestidade. Tristeza por deixar para trás essa família do SISEMA que me acolheu e recebeu de braços abertos.
 
9 – Você considera que possui competências (conhecimentos, habilidades e atitudes), específicas para as atividades que desempenha, que deveriam ser repassadas para outra(s) pessoa(s) da sua equipe? Se sim, já pensou em treinar essa(s) pessoa(s) a fim de compartilhar tais competências?
Em parte sim. Ressalto que sempre procuro aplicar com competência e habilidade a missão a mim confiada, com atitudes de transparência e respeito ao próximo. Não me julgo um ser humano perfeito em tudo que faço, ao compartilhar as minhas experiências, acredito que vou aprimorar os meus conhecimentos aprendendo muitas coisas que ainda não sei.
 
10 – Em relação ao registro de seu percurso profissional: você possui fotos, reportagens, ou outro tipo de registro que gostaria de compartilhar para elaborarmos o seu portfólio? Poderia nos enviar?
Sim. As Fotos seguem anexas no email.
 
11 – Se pudesse escolher uma única palavra ou frase para descrever a sua trajetória no SISEMA, qual seria?
Compromisso e lealdade com a instituição, companheirismo e respeito pelos colegas.
 
12 – Para finalizarmos, você gostaria de escrever alguma mensagem aos colegas e demais servidores do Sisema? Caso queira, pode fazê-lo agora ou nos enviar por e-mail posteriormente.

Ao meu ver, o êxito de todo trabalho desenvolvido só foi possível devido ao comprometimento e empenho de toda equipe.

Ao longo desses 38 anos, eu pude contar com o apoio e profissionalismo de inúmeros colegas,portanto, o sentimento que prepondera em relação a eles é de gratidão.

Agradeço a todos que fizeram e fazem parte do SISEMA, em especialmente aos colegas e servidores do IEF.

Desejo aos novos colegas e aos que ficam, que encontrem tanto amparo e afinidade com a equipe como eu encontrei.


Conheça o trabalho realizado por Valdique em sua trajetória pelo IEF.

Clique nas miniaturas para visualizar a imagem em alta resolução.